Convocação para pente-fino do INSS virá no extrato bancário

Aviso estará no comprovante de pagamento de quem sacar benefício a partir desta semana

Aposentados e segurados do INSS que começam a receber os benefícios de julho a partir da próxima quinta-feira devem ficar atentos ao extrato bancário. Por meio deste documento, o instituto fará a convocação para um pente-fino em pagamentos com suspeitas de irregularidades. A meta é analisar, em 18 meses, três milhões de vínculos em todo o país. Estão na mira do pente-fino segurados que recebem auxílio-doença ou aposentados por invalidez com idade inferior a 60 anos. Se houver indício de problema, o pagamento será suspenso.Segundo o INSS, o aviso no extrato informará a necessidade de fazer nova perícia médica. Será preciso agendar o exame pela Central 135. Também haverá orientação sobre apresentação de documentos.
Além do extrato bancário, emitido quando o aposentado vai ao caixa eletrônico do banco, o INSS poderá avisar do pente-fino por meio de carta que será enviada ao endereço cadastrado no instituto. Por isso, é importante mantê-lo atualizado. O mutirão de revisões está previsto para durar até 2020, podendo ser prorrogado até 2022.
Os que não passaram por perícia há mais de seis meses também podem ser chamados para as revisões. Mas quem já tem mais de 60 anos não pode perder o benefício.

Prazo para defesa
Caso o pagamento seja suspenso, o segurado terá 30 dias para apresentar sua defesa ao INSS, com os documentos adicionais ou de suporte solicitados pelo instituto. Para o trabalhador rural, o agricultor familiar e o segurado especial, o prazo de recurso é maior, de 60 dias. A apresentação da documentação pode ser feita por meio do sistema do Meu INSS – é preciso o usuário estar cadastrado – ou em agências da Previdência Social.
Ao contrário do pente-fino anterior, que se limitou a benefícios por incapacidade, aposentados em geral e pessoas que recebem outros pagamentos, como pensão por morte ou o Benefício de Prestação Continuada (BPC), também poderão ser convocados. Os pagamentos são alvo de levantamentos que apontarem indícios de irregularidades feitos pelos órgãos de controle, como o Tribunal de Contas da União (TCU), a Controladoria-Geral da União (CGU) e a Força-Tarefa Previdenciária.
De acordo com o governo, a intenção é combater fraudes do sistema e economizar R$9,8 bilhões com o pente-fino. A estimativa é que 16% dos benefícios tenham algum tipo de irregularidade. É importante destacar que o segurado que já fez parte do procedimento ocorrido do governo Temer também poderá ser convocado novamente pelo INSS.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: