Fiscalização retira oito crianças e adolescentes que estavam em situação de trabalho infantil em casas de farinha na BA

Informações foram divulgadas nesta terça-feira (12), pelo Ministério da Economia. Ações de fiscalização ocorreram entre 23 e 31 de outubro.

Oito crianças e adolescentes com idades entre 8 e 17 anos, em situação de trabalho infantil, foram retiradas de duas casas de farinha localizadas no município de Crisópolis, a cerca de 200 quilômetros de Salvador.

Segundo informações divulgadas nesta terça-feira (12) pelo Ministério da Economia, os casos foram flagrados durante operações coordenadas por auditores-fiscais da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho, ocorridas entre 23 e 31 de outubro.

O Decreto 6481/2008, que trata da Lista das Piores Formas de Trabalho Infantil (Lista TIP), afirma que este tipo de atividade expõe as crianças e adolescentes a “esforços físicos intensos; acidentes com instrumentos pérfuro-cortantes; posições inadequadas; movimentos repetitivos; altas temperaturas e poeiras”.

Ainda segundo o Ministério da Economia, as informações colhidas em Crisópolis foram repassadas à prefeitura do município, para que fossem providenciados assistência e acompanhamento das famílias, além de ações de prevenção contra novos casos.

As ações da secretaria também foram realizadas em Lagarto (SE), a cerca de 130 quilômetros de Crisópolis, onde três adolescentes entre 15 e 17 anos foram flagrados trabalhando irregularmente em duas casas diferentes. Eles realizavam principalmente a atividade de raspagem de mandioca. De acordo com o decreto,

Operações coordenadas por auditores-fiscais da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia resultaram na retirada de 11 jovens de situações de trabalho infantil em casas de farinha nos estados da Bahia e do Sergipe. A atividade em estabelecimentos deste tipo está tipificada no Decreto 6481/2008, que trata da Lista das Piores Formas de Trabalho Infantil (Lista TIP).

As operações também contaram com a participação do Ministério Público do Trabalho, da Defensoria Pública da União e da Polícia Rodoviária Federal.

Além de retirar as crianças e os adolescentes do trabalho irregular, as operações interditaram maquinário e forneceram aos empregadores as orientações necessárias para a efetivação das adequações pertinentes aos casos.

Os auditores também identificaram nas ações fiscais irregularidades no vínculo empregatício em 19 casas de farinha. No total, eram 118 trabalhadores com contratação informal de trabalho. As empresas têm o prazo de 15 dias para a regularização.

Fonte: G1 Bahia

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: