Sequestro na Ponte Rio Niterói

Disparos de atirador de elite do Bope causaram ferimentos no braço, no antebraço, na perna e no tórax de Willian Augusto da Silva, que fez 39 reféns por quase 4 horas.

O homem que sequestrou um ônibus na Ponte Rio-Niterói, na manhã desta terça-feira (20), morreu com seis perfurações, indica uma primeira análise da perícia.

Os tiros causaram ferimentos no antebraço direito, na perna esquerda, no braço esquerdo e no tórax (duas vezes) de Willian Augusto da Silva, de 20 anos. Ainda não é possível dizer, segundo os peritos, quantos tiros atingiram o sequestrador, já que um mesmo disparo pode ter causado mais de um ferimento – ao penetrar o corpo e ao sair.

Sniper que atirou no sequestrador utilizou uma manta vermelha para se camuflar em cima de uma viatura — Foto: Gabriel de Paiva/Agência O Globo

Willian foi baleado e morto por um atirador de elite do Batalhão de Operações Especiais (Bope) às 9h04, após quase quatro horas de sequestro. Os 39 reféns, incluindo o motorista do ônibus, foram resgatados sem ferimentos – seis deles haviam sido liberados por Willian ao longo das negociações.

A polícia agiu após Willian descer do coletivo e arremessar um casaco. Quando ia subir a escada para reembarcar, ele foi baleado.

Pelo menos três snipers (atiradores de elite) estavam em posições estratégicas em volta do ônibus. Um deles estava deitado sobre um carro dos bombeiros e chegou a ser coberto por um pano vermelho para se camuflar.

Especialista diz que ação foi ‘perfeita’

O especialista em gerenciamento de crise José Ricardo Bandeira disse que a ação da polícia diante do sequestro na Ponte Rio-Niterói foi “perfeita”.

“Pela ótica da ação tática e operacional foi perfeito. Eles agiram da forma correta desde o começo”, afirmou.

“Até então, a gente acreditava que ele iria se render, mas, ao retornar para o coletivo, ele pode ter mudado de ideia. O gestor de crise ou o próprio sniper pode ter decidido alvejar porque, ao retornar para o coletivo, ele coloca de novo os reféns em risco. Ele estava fora do coletivo e a polícia jamais iria permitir que ele voltasse. Ele teria que ter se rendido naquele momento”, explicou José Ricardo Bandeira.

Fonte: G1

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: